Avaliação de Múltiplos Sintomas em Adolescentes Submetidos à Quimioterapia Antineoplásic

Rafael Tavares Jomar 1 Renata Pereira Ribeiro Soares 2 Dayana Carvalho Leite 3 Helena Ferraz Gomes4 Gabriela Porto Salles de Assis 5 Gunnar Glauco de Cunto Taets 6

Prezado Editor, Pacientes com câncer frequentemente relatam múltiplos sintomas decorrentes da própria doença ou relacionados à toxicidade dos tratamentos antineoplásicos a que são submetidos. A prevalência, a intensidade, a percepção da importância e o impacto desses sintomas na qualidade de vida e nas atividades cotidianas apresentam grande variabilidade entre pacientes e são influenciados pelo estádio da doença e tratamento(1). A avaliação de sintomas, portanto, é fundamental ao longo da terapia contra o câncer, pois permite identificar complicações precocemente, minimizar e até mesmo prevenir possíveis alterações na capacidade funcional dos pacientes(2). Nesse sentido, dar atenção a combinações ou agrupamentos de sintomas é mais importante que tratá-los isoladamente, já que sintomas simultâneos, provavelmente, têm natureza multiplicativa e efeito catalítico uns sobre os outros(3). O conceito de cluster de sintomas - descrição de dois ou mais sintomas concomitantes relacionados entre si que são capazes de criar padrões e classificações sintomáticas - tem se destacado na pesquisa em Oncologia, especialmente na Enfermagem Oncológica, a qual demonstra potencial para fundamentar a sistematização da assistência(4). Revisão sistemática publicada recentemente, recomendou o desenvolvimento de estudos de Enfermagem sobre clusters de sintomas(4). Diante disso, um estudo seccional, cujo objetivo principal é identificar clusters de sintomas em adolescentes submetidos à quimioterapia antineoplásica durante a hospitalização, foi delineado e está sendo conduzido por enfermeiros docentes em um hospital universitário localizado na cidade do Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Nesta carta, são apresentados resultados preliminares sobre a presença e a intensidade de múltiplos sintomas nos primeiros indivíduos selecionados para participação neste estudo. Em novembro de 2017, após assinatura do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE) e aprovação do Comitê de Ética em Pesquisa do hospital onde está sendo desenvolvido, seis adolescentes hospitalizados (quatro do sexo masculino) diagnosticados com neoplasias
hematológicas (cinco com leucemia linfoide aguda), e idades variando entre 13 e 17 anos (média=14,8), foram entrevistados por uma enfermeira devidamente treinada, 24 horas após a administração do primeiro ciclo de quimioterapia endovenosa. A versão brasileira do MD Anderson Sympton Inventary - MDASI(1) foi utilizada para avaliar a presença e a intensidade de 13 sintomas experimentados pelo adolescente nas últimas 24 horas. Dentre eles, destacaram-se dor, preocupações e sonolência, experimentados por quatro adolescentes. Em escala que varia de zero a 10(1), preocupações e sonolência foram os sintomas que apresentaram as maiores médias de intensidade (= 5,2), seguidos por enjoo, problemas de sono e falta de ar = 4,5. Estudo brasileiro desenvolvido com adolescentes com câncer que apresentaram dois ou mais sintomas simultâneos avaliados pelo MDSAI com média maior ou igual a três identificou os seguintes clusters: Sintomas Gastrointestinais (enjoo, vômitos e falta de apetite), Dor (dor, sonolência e problemas de sono) e Fadiga (cansaço, boca seca, tristeza, falta de ar e preocupações). Todos eles foram equivalentes nas análises fatoriais e de cluster hierárquico, nas quais apresentaram adequadas propriedades psicométricas, sugerindo, assim, sua existência em adolescentes com câncer(5). Os sintomas que apresentaram as maiores médias de intensidade neste estudo colaboraram na composição de todos os clusters identificados no estudo anteriormente citado(5). Ainda que cautelosamente, acredita-se que esses sintomas, possivelmente, colaborarão para a formação de clusters semelhantes no presente estudo devido às suas altas médias de intensidade. Considerando que múltiplos sintomas estão associados a piores prognósticos, incluindo menores taxas de sobrevida, redução da adesão ao tratamento e pior qualidade de vida(6), espera-se que os resultados finais deste estudo em andamento contribuam não apenas para o melhor entendimento dos clusters de sintomas em adolescentes com câncer, mas que possam subsidiar a assistência prestada a essa população. Desse modo, enfermeiros oncologistas e outros profissionais da área poderão propor intervenções mais eficazes para o controle de sintomas com base em sua natureza interativa.
Referências
1. Ferreira KASL, William Jr. WN, Mendonza TR, Kimura M, Kowalski LP, Rosenthal DI, et al. Tradução para a língua portuguesa do M.D. Anderson Symptom Inventory – head and neck module (MDASI-H&N). Rev Bras Cir Cabeça Pescoço [Internet]. 2008 [acesso em 24 jan 2018]; 37(2):109-13. Disponível em: http://www.sbccp.org.br/wp- content/uploads/2014/11/art_115.pdf.
2. Kolankiewicz ACB, De Domenico EBL, Lopes LFD, Magnago TSBS. Validação do Inventário de Sintomas do M.D. Anderson Cancer Center para a língua portuguesa. Rev Esc Enferm USP [Internet]. 2014 [acesso em 24 jan 2018]; 48(6):999-1005. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v48n6/pt_0080- 6234-reeusp-48-06-0999.pdf.
3. Hoffman AJ, Given BA, von Eye A, Gift AG, Given CW. Relationships among pain, fatigue, insomnia and gender in persons with lung cancer. Oncol Nurs Forum [Internet]. 2007 [acesso em 24 jan 2018]; 34(4):785-92. Disponível em: https://onf.ons.org/onf/34/4/relationships- among-pain-fatigue-insomnia-and-gender- persons-lung-cancer.
4. Boeiras SF, Guimarães RM, Acioli LR, Stipp MAC. Cluster de sintomas e câncer na pesquisa em enfermagem: revisão sistemática. Rev bras cancerol [Internet]. 2014 [acesso em 24 jan 2018]; 60(4):351-61. Disponível em: http://www.inca.gov.br/rbc/n_60/v04/pdf/10- revisao-de-literatura-cluster-de-sintomas-e- cancer-na-pesquisa-em-enfermagem-revisao- sistematica.pdf.
5. Simberg ARF. Cluster de sintomas em adolescentes com câncer [Dissertação]. Guarulhos: Universidade de Guarulhos; 2011.
6. Rodgers CC, Hooke MC, Hockenberry MJ. Symptom clusters in children. Curr Opin Support
Palliat Care [Internet]. 2013 [acesso em 24 jan 2018]; 7(1):67-72. Disponível em: https://insights.ovid.com/pubmed?pmid=231083 42.