Os Aspectos Psicológicos dos Pacientes com Esfíncter Anal Artificial na Incontinência Fecal Grave: o papel do enfermeiro

Os Aspectos Psicológicos dos Pacientes com Esfíncter Anal Artificial na Incontinência Fecal Grave: o papel do enfermeiro


Thais Aparecida Andrade

Aline Voltarelli

Luiz Carlos Ferreira

Maria Sonia Grechi

Rosangela Sakman

 

RESUMO:

Objetiva-se estudar os aspectos psicológicos dos pacientes com IA grave, na escolha da terapêutica de inserção do dispositivo de EAA. Trata-se de um estudo exploratório de revisão integrativa da literatura, de abordagem qualitativa, com recorte transversal. As bases de dados escolhidas foram: Scientific Electronic Library Online (SciELO) e Latin America and Caribbean Health Sciences Literature (LILACS), com utilização da plataforma de dados BIREME, Biblioteca Virtual em Saúde (BVS). Para melhor compreensão, foram criadas as seguintes categorias: Incontinência Fecal, Terapêutica, Esfíncter Anal Artificial e Condutas Assistenciais do Enfermeiro. Um dos tratamentos inovadores é a implantação do esfíncter anal artificial em um portador de incontinência fecal severa, que exige uma investigação cuidadosa dos sintomas clínicos do indivíduo e seu estado físico e mental, devido a funcionalidade do dispositivo. Este novo aparelho é uma alternativa muito atraente, no entanto, as pessoas que sofrem com IA devem entender que não são todos os casos que esta alternativa é a mais indicada ou adequada. Após a realização da esfincteroplastia, a assistência de enfermagem toma um novo aspecto, o papel do enfermeiro nesta fase, é estimular o uso adequado do esfíncter anal artificial, desvendando qualquer dúvida que o paciente tenha sobre o dispositivo e sua aplicabilidade pratica, além de dar um novo suporte para a família neste novo começo.

 

PALAVRAS CHAVES:

Incontinência Anal Grave; Esfíncter Anal Artificial; Enfermagem.

<< PDF >>