VIOLÊNCIA NO TRABALHO NA PERSPECTIVA DE PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM

Percepção dos profissionais de enfermagem sobre a violência no trabalho

Palavras-chave: Enfermagem; Trabalho; Violência; Saúde do Trabalhador.

Resumo

Objetivo: analisar a percepção dos profissionais de enfermagem acerca da violência no trabalho. Método: estudo qualitativo, descritivo e exploratório realizado na unidade do plantão geral de um hospital público situado no Estado do Rio de Janeiro. Participaram do estudo 11 profissionais de enfermagem. A coleta dos dados ocorreu entre abril e junho de 2016, através da entrevista semiestruturada. Os dados foram analisados por meio da análise temática de conteúdo. Resultados: mediante à análise das falas emergiu a categoria: violência no trabalho: à ótica do profissional de enfermagem, onde os participantes apontavam que os profissionais presenciaram o abuso de poder, situações de maus tratos, preconceito, agressão física e verbal, assédio moral e sexual. Conclusão: a violência no trabalho apresenta diferentes facetas de ordem física, psíquica e social. Recomenda-se que outras pesquisas sejam desenvolvidas, como o estudo da violência em diversos setores assistenciais em diferentes níveis de atenção à saúde.

Biografia do Autor

Mariana Conceição Amorim, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Enfermeira. Graduada em Enfermagem pela Faculdade de Enfermagem da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Laísa Santos Sillero, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Enfermeira. Graduada em Enfermagem pela Faculdade de Enfermagem da Universidade do Estado do Rio de Janeiro Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Ariane da Silva Pires, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Enfermeira. Doutora em Enfermagem. Professora Assistente do Departamento de Enfermagem Médico-Cirúrgica da Faculdade de Enfermagem da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Helena Ferraz Gomes, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Enfermeira. Doutora em Enfermagem.Professora Assistente do Departamento de Enfermagem Médico-Cirúrgica da Faculdade de Enfermagem daUniversidade do Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Glaudston Silva de Paula, Centro Universitário Gama e Souza

Enfermeiro. Doutor em Enfermagem. Professor Assistente e coordenador do curso de Enfermagem do Centro Universitário Gama e Souza.  Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Carlos Eduardo Peres Sampaio, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Enfermeiro. Doutor em Bioquímica pelo Departamento de Bioquímica Médica da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Professor Associado da Faculdade de Enfermagem da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ/DEMC). Professor Titular do curso de graduação em Enfermagem da Universidade Veiga de Almeida (UVA). Rio de Janeiro, Brasil.

Ellen Marcia Peres, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Enfermeira. Doutora em Saúde Coletiva, área de concentração Política, Planejamento e Administração em Saúde, pelo Instituto de Medicina Social (IMS/UERJ). Professora Associada do Departamento de Enfermagem Médico-Cirúrgica da Faculdade de Enfermagem da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil

Priscila Cristina da Silva Thiengo de Andrade, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Enfermeira. Doutora em Enfermagem. Professora Assistente do Departamento de Enfermagem Médico-Cirúrgica da Faculdade de Enfermagem da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Eugenio Fuéntez Perez Júnior, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Enfermeiro. Doutor em Enfermagem. Professor Assistente do Departamento de Enfermagem Médico-Cirúrgica da Faculdade de Enfermagem da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Publicado
2021-05-05
Como Citar
1.
Conceição Amorim M, Santos Sillero L, da Silva Pires A, Gomes H, Silva de Paula G, Peres Sampaio C, Peres E, da Silva Thiengo de Andrade P, Fuéntez Perez Júnior E. VIOLÊNCIA NO TRABALHO NA PERSPECTIVA DE PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM. REAID [Internet]. 5maio2021 [citado 14jun.2021];95(34):e-21067. Available from: https://revistaenfermagematual.com/index.php/revista/article/view/1068
Seção
ARTIGO ORIGINAL