PENSAMENTO COMPLEXO E FORMAÇÃO EM ENFERMAGEM

POSSIBILIDADES DA EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31011/reaid-2022-v.96-n.39-art.1444

Palavras-chave:

Enfermagem, Educação em Enfermagem, Relações Comunidade-Instituição, Capacitação de Recursos Humanos em Saúde, Ensino

Resumo

Objetivo: Objetivou-se discutir à luz do Pensamento Complexo as possibilidades da extensão universitária na formação do Enfermeiro. Método: Trata-se de estudo teórico reflexivo com base referencial do pensamento complexo proposto por Edgar Morin em articulação com as cinco diretrizes da extensão universitária.  Para articular o conceito proposto pelo autor a temática em estudo, foram realizadas buscas eletrônicas não sistemática sobre o tema,  realizando-se leitura  crítica de  suas  obras e de outros estudiosos. Resultados: As discussões utilizaram o referencial do pensamento complexo de Edgar Morin e as cinco diretrizes da extensão universitária: Interação Dialógica; Interdisciplinaridade e Interprofissionalidade; Indissociabilidade Ensino- Pesquisa- Extensão; Impactos na Formação dos estudantes e Impacto e Transformação social, no ensino superior em Enfermagem. Evidenciaram-se contribuições e possibilidades das práticas extensionistas para a formação do enfermeiro direcionadas ao desenvolvimento do pensamento complexo, crítico, reflexivo, humano e cidadão. Considerações finais: Conclui-se que (re)pensar as práticas pedagógicas e curriculares da extensão na formação em Enfermagem em articulação com o pensamento complexo é imprescindível  para uma práxis emancipatória e transdisciplinar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Samyra Paula Lustoza Xavier , Universidade Estadual do Ceará (UECE)

Enfermeira. Mestre em Enfermagem pela Universidade Regional do Cariri. Doutoranda do
Programa de Pós-Graduação em Cuidados Clínicos em Enfermagem e Saúde da Universidade Estadual
do Ceará. Docente do Departamento de Enfermagem da Universidade Regional do Cariri.

Ana Virgínia de Melo Fialho, Universidade Estadual do Ceará (UECE)

Enfermeira. Doutora e Pós-doutora em Enfermagem pela Universidade Federal do
Ceará. Docente do Curso de Graduação em Enfermagem da Universidade Estadual do Ceará.
Professora permanente do Programa de Pós-Graduação em Cuidados Clínicos em Enfermagem e
Saúde (PPCLIS) da Universidade Estadual do Ceará. Vice-líder do Grupo de Pesquisa Saúde da
Mulher e Enfermagem (GRUPESME/UECE).

Karla Corrêa Lima Miranda, Universidade Estadual do Ceará (UECE)

Enfermeira. Doutorado em Enfermagem em Saúde Comunitária pela Universidade Federal
do Ceará. Docente do Curso de Graduação em Enfermagem da Universidade Estadual do Ceará.
Professora permanente do Programa de Pós-Graduação em Cuidados Clínicos em Enfermagem e Saúde
(PPCLIS) da Universidade Estadual do Ceará.

Lúcia de Fátima da Silva, Universidade Estadual do Ceará (UECE)

Enfermeira. Doutora em Enfermagem pela Universidade Federal do Ceará. Docente do
Curso de Graduação em Enfermagem da Universidade Estadual do Ceará. Professora permanente do
Programa de Pós-Graduação em Cuidados Clínicos em Enfermagem e Saúde (PPCLIS) da Universidade
Estadual do Ceará.

Maria Vilani Cavalcante Guedes, Universidade Estadual do Ceará (UECE)

Enfermeira. Doutora em Enfermagem pela Universidade Federal do Ceará. Docente do
Curso de Graduação em Enfermagem da Universidade Estadual do Ceará. Professora permanente do
Programa de Pós-Graduação em Cuidados Clínicos em Enfermagem e Saúde (PPCLIS) da Universidade
Estadual do Ceará.

Maria Célia de Freitas, Universidade Estadual do Ceará (UECE)

Enfermeira. Doutora em Enfermagem Fundamental pela Escola de Enfermagem de Ribeirão
Preto da Universidade de São Paulo. Docente do Curso de Graduação em Enfermagem da Universidade
Estadual do Ceará. Professora permanente do Programa de Pós-Graduação em Cuidados Clínicos em
Enfermagem e Saúde (PPCLIS) da Universidade Estadual do Ceará.

Publicado

02-08-2022

Como Citar

1.
Pereira EV, Lustoza Xavier SP, de Melo Fialho AV, Corrêa Lima Miranda K, da Silva L de F, Cavalcante Guedes MV, de Freitas MC. PENSAMENTO COMPLEXO E FORMAÇÃO EM ENFERMAGEM: POSSIBILIDADES DA EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Rev. Enferm. Atual In Derme [Internet]. 2º de agosto de 2022 [citado 10º de agosto de 2022];96(39):e-021278. Disponível em: https://revistaenfermagematual.com/index.php/revista/article/view/1444

Edição

Seção

ARTIGO DE REFLEXÃO