SAÚDE DA POPULAÇÃO NEGRA BRASILEIRA NO CONTEXTO DAS DOENÇAS CRÔNICAS: UMA REFLEXÃO PARA POLÍTICAS PÚBLICAS

Autores

  • JOSÉ GERFESON ALVES Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (UNILAB) https://orcid.org/0000-0003-0364-3151
  • Carolaine da Silva Souza Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira. Redenção, CE. Brasil. https://orcid.org/0000-0002-6369-5749
  • Hilderlânia de Freitas Lima Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira. Redenção, CE. Brasil. https://orcid.org/0000-0003-3755-0340
  • Leilane Barbosa de Souza Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira. Redenção, CE. Brasil.
  • Flávia Paula Magalhães Monteiro Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira. Redenção, CE. Brasil.
  • Thiago Moura de Araújo Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira. Redenção, CE. Brasil. https://orcid.org/0000-0002-3924-9570

DOI:

https://doi.org/10.31011/reaid-2023-v.97-n.2-art.1605

Palavras-chave:

Negros, Saúde das Minorias Étnicas, Política Pública

Resumo

Objetivo: refletir sobre a saúde da população negra brasileira no contexto das doenças crônicas e sua relação com as políticas públicas. Método: estudo teórico-reflexivo baseado na literatura científica nacional e internacional, como da percepção e análise crítica dos autores. Resultados: apresentaram-se três categorias: indicadores sociais na cronicidade de doenças na população negra; indicadores de saúde da população negra frente às doenças crônicas; e políticas públicas para a saúde da população negra na cronicidade de doenças. Considerações finais: suscitaram reflexões acerca da implementação de políticas públicas a essa população, bem como apontar as limitações voltadas à prevenção de doenças e agravos e promoção da saúde.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Matos CCSA, Tourinho FSV. Saúde da População Negra: como nascem, vivem e morrem os indivíduos pretos e pardos em Florianópolis (SC). Rev. bras. med. fam. comunidade. [Internet]. 2018 [citado 2022 Jun 27];13(40). [aprox. 370 telas]. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5712/rbmfc13(40)1706.

Ministério da Saúde (BR). Política Nacional de Saúde Integral da População Negra: uma política para o SUS [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2017. [citado 2022 Jun 27]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_saude_populacao_negra_3d.pdf.

Santos LDSFD, Espindola SP, Bertholy CRDSS, Santos PRD, Severiano SGDC, Freitas SEDS. Doenças e agravos prevalentes na população negra: revisão integrativa. Rev Nursing. [Internet], 2019; [citado 2022 Ago 15]; 22(250). [aprox. 10 telas]. Disponível em: https://revistanursing.com.br/index.php/revistanursing/article/view/290/275.

Instituto Brasileiro de Geografia E Estatística. Censo demográfico 2010. Rio de Janeiro: IBGE; 2011.

Silva NN, Favacho VBC, Boska GA, Andrade EC, Merces NP, Oliveira MAF. Access of the black population to health services: integrative review. Rev Bras Enferm. [Internet]; 2020; [citado 2022 Ago 15]; 73(4). [aprox. 09 telas]. Disponível em: 10.1590/0034-7167-2018-0834.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Departamento de Articulação Interfederativa. Temático Saúde da População Negra [Internet]. Brasília: Editora do Ministério da Saúde; 2016. [citado 2022 Ago 15]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/tematico_saude_populacao_negra_v._7.pdf.

Carmo TNBV, Araujo EM, Araujo RLM, Pereira SRS, Silva HP, Souza BLM. Fatores associados a doenças crônicas não transmissíveis autorrelatadas em quilombolas do semiárido baiano. Rev. baiana saúde pública [Internet] 2021 [citado 2022 Ago 15];45(1). [aprox. 22 telas]. doi:10.22278/2318-2660.2021.v45.n1.a3472.

Marques T, Vidal AS, Braz AF, Teixeira MLH. Clinical and care profiles of children and adolescents with Sickle Cell Disease in the Brazilian Northeast region. Rev bras saúde mater. Infant. [Internet]. 2019 [citado 2022 Ago 15]; 19(4). [aprox. 08 telas] doi: 10.1590/1806-93042019000400008.

Malta DC, Bernal RTI, Lima MG, Silva AG, Szwarcwald CL, Barros MBA. Socioeconomic inequalities related to noncommunicable diseases and their limitations: National Health Survey, 2019. Rev. bras. epidemiol [Internet]. 2021 [citado 2022 Jun 27]; 24 (2). [aprox. 13 telas]. doi:10.1590/1980-549720210011.supl.2.

Alencar RRFR, Galvao TF, Antonio BVR, Silva MT. Prevalence of self-reported chronic diseases and health services utilization by ethnic minorities in Manaus metropolitan region. Ethn dis [Internet]. 2018 [citado 2022 Jun 27];28(1). [aprox. 06 telas]. doi:10.18865/ed.28.1.49.

Ministério da Saúde (BR). Plano de Ações Estratégicas para o Enfrentamento das Doenças Crônicas e Agravos não Transmissíveis no Brasil 2021-2030 [Internet]. Brasília: Editora do Ministério da Saúde; 2021. [citado 2022 Jun 27]. Disponível em: https://pesquisa.bvsalud.org/bvsms/resource/pt/biblio-1291679.

Hone T, Stokes J, Trajman A, Saraceni V, Coeli CM, Rasella D et al. Racial and socioeconomic disparities in multimorbidity and associated healthcare utilisation and outcomes in Brazil: a cross-sectional analysis of three million individuals. BMC public health [Internet]. 2021 [citado 2022 Jun 27]; 21(1). [aprox. 11 telas]. doi:10.1186/s12889-021-11328-0.

Barreto ML. Desigualdades em Saúde: uma perspectiva global. Ciênc. Saúde Colet. [Internet]. 2017 [citado 2022 Jun 27]; 22(7). [aprox. 12 telas]. doi:10.1590/1413-81232017227.02742017.

Williams J, Allen L, Wickramasinghe K, Mikkelsen B, Roberts N, Townsend N. A systematic review of associations between non-communicable diseases and socioeconomic status within low- and lower-middle-income countries. J Global Health [Internet]. 2018 [acesso em 25 setembro 2022]; 8(2). [aprox. 25 telas]. doi:10.7189/jogh.08.020409.

Batista LE, Barros S, Silva NG, Tomazelli PC, Silva A, Rinehart D. Indicadores de monitoramento e avaliação da implementação da Política Nacional de Saúde Integral da População Negra. Saúde Soc [Internet]. 2020 [citado 2022 Jun 27]; 29(3). [aprox. 18 telas]. doi:10.1590/S0104-12902020190151.

Ministério da Saúde (BR). Manual de doenças mais importantes, por razões étnicas, na população brasileira afro-descendente [Internet]. Brasília: Editora do Ministério da Saúde; 2001. [citado 2022 Ago 23 2022]. Disponível em: https://pesquisa.bvsalud.org/bvsms/resource/pt/mis-3444.

Instituto Brasileiro de Geografia E Estatística. Acesso e utilização dos serviços de saúde, acidentes e violências: Brasil, grandes regiões e unidades da federação. Rio de Janeiro: IBGE; 2015.

Teixeira EP, Mussi RFF, Petroski EL, Munaro HLR, Figueiredo ACMG. Problema crônico de coluna/dor nas costas em população quilombolas de região baiana, nordeste brasileiro. Fisioter. Pesqui [Internet]. 2019 [citado 2022 Jun 27]; 26(1). [aprox. 06 telas]. doi: 10.1590/1809-2950/18024126012019.

Nunes BAP, Siqueira SL, Pereira SM, Pacheco TJ, Pessanha TO, Mendonça SB. et al. Perfil epidemiológico dos pacientes diagnosticados com câncer de mama em Campos dos Goytacazes (RJ). Rev. bras. mastologia [Internet]; 2012 [citado 2022 Ago 23 2022]; 22(4). [aprox. 07 telas]. doi: 10.34117/bjdv6n10-468.

Oliveira LGF, Magalhães M. Percurso da implantação da Política Nacional de Saúde Integral da População Negra no Brasil. Rev bras estud popul [Internet]; 2022; 39:e0214. [citado 2022 Ago 23 2022]. [aprox. 13 telas]. doi: 10.20947/S0102-3098a0214.

Publicado

10-04-2023

Como Citar

1.
ALVES JG, Souza C da S, Lima H de F, Souza LB de, Monteiro FPM, Araújo TM de. SAÚDE DA POPULAÇÃO NEGRA BRASILEIRA NO CONTEXTO DAS DOENÇAS CRÔNICAS: UMA REFLEXÃO PARA POLÍTICAS PÚBLICAS. Rev. Enferm. Atual In Derme [Internet]. 10º de abril de 2023 [citado 28º de novembro de 2023];97(2). Disponível em: https://revistaenfermagematual.com/index.php/revista/article/view/1605

Edição

Seção

ARTIGO DE REFLEXÃO