SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS POR USUÁRIOS DA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE AO ESTILO DE VIDA SAUDÁVEL

Autores

  • Joselane Izaquiel Marinho Universidade federal de campina grande https://orcid.org/0000-0002-5713-016X
  • Larissa Soares Mariz Vilar de Miranda Universidade Federal de Campina Grande
  • Maria Eduarda Wanderley de Barros Silva Universidade Federal de Campina Grande
  • Diogo Leonardo Santos Silva
  • Josefa Eucliza Casado Freire da Silva Universidade Federal de Campina Grande https://orcid.org/0000-0003-1066-0574
  • Nathanielly Cristina Carvalho de Brito Santos https://orcid.org/0000-0002-1544-2181

DOI:

https://doi.org/10.31011/reaid-2023-v.97-n.4-art.1663

Palavras-chave:

Atenção Primária à Saúde, Práticas saudáveis, Estilo de Vida Saudável, Usuários, Enfermagem

Resumo

Objetivo: compreender os significados atribuídos pelos usuários da Atenção Primária de Saúde ao estilo de vida saudável. Métodos: trata-se de uma pesquisa do tipo social, exploratória e descritiva, do tipo qualitativa, alicerçada na Teoria Fundamentada em Dados. Foram realizadas entrevistas para coleta de dados com 27 participantes, nos meses de março a maio de 2021, a partir de um questionário semi-estruturado. À princípio, a questão que norteou este trabalho foi: o que significa ter um estilo de vida saudável para os usuários da Atenção Primária de Saúde? Resultados: a partir da coleta de dados desenvolveram-se três conceitos, ou categorias, e suas subcategorias. As categorias são: Restringindo a compreensão dos significados do estilo de vida saudável; Inferindo sobre a possibilidade dos determinantes de saúde como parte dos significados estilo de vida saudável; e Apontando as dificuldades para adotar estilo de vida saudável. Considerações finais: Foi possível perceber que para os usuários o significado de estilo de vida saudável é frágil e fragmentado por se apoiarem basicamente nos pilares de alimentação com consumo de frutas e legumes e prática de atividade física e não englobar toda a complexidade envolvida no conceito, como os determinantes sociais e de saúde. Logo, a construção do modelo teórico proposto possibilita vislumbre das lacunas sobre o conceito e permite a aplicação de estratégias prática na atenção primária para ressignificar o estilo de vida saudável pelos usuários.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Joselane Izaquiel Marinho, Universidade federal de campina grande

Graduanda em Enfermagem pela Universidade Federal de Campina Grande

Larissa Soares Mariz Vilar de Miranda, Universidade Federal de Campina Grande

Professora da Universidade Federal de Campina Grande

Maria Eduarda Wanderley de Barros Silva, Universidade Federal de Campina Grande

Graduanda em Enfermagem pela Universidade Federal de Campina Grande

Diogo Leonardo Santos Silva

Mestrando em Ciências Naturais e Biotecnologia na Universidade Federal de Campina Grande 

Josefa Eucliza Casado Freire da Silva, Universidade Federal de Campina Grande

Enfermeira, Mestranda em Saúde Coletiva na Universidade Federal do Rio Grande do Norte. 

Nathanielly Cristina Carvalho de Brito Santos

Professora na Universidade Federal de Campina Grande

Referências

Macinko J, Mendonça CS. Estratégia Saúde da Família, um forte modelo de atenção primária à saúde que traz resultados. Saúde Debate. 2018;42(1):18-37. Doi: https://doi.org/10.1590/0103-11042018S102

Tasca R, Massuda A, Carvalho WM, Buchweitz C, Harzheim E. Recomendações para o fortalecimento da atenção primária à saúde no Brasil. Rev Panamericana Salud Públic. 2020;44:1-8. Doi: https://doi.org/10.26633/RPSP.2020.4

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) [Internet]. 2017 [cited 2021 Set 05]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prt2436_22_09_2017.html

Reiser MN, Mattos LB. Repercussões da covid-19 na saúde mental dos profissionais de saúde da atenção primária à saúde. Rev Enferm Atual In Derme. 2023;97(3):e023128. Doi: https://doi.org/10.31011/reaid-2023-v.97-n.3-art.1640

DallaCosta M, Rodrigues RM, Schütz G, Conterno S. Programa Saúde na Escola: desafios e possibilidades para promover saúde na perspectiva da alimentação saudável. Saúde debate. 2022;46(3):244–60. Doi: https://doi.org/10.1590/0103-11042022E318

Almeida BL, Souza MEBF, Rocha FC, Fernanes TF, Evangelista CB, Ribeiro KSMA. Qualidade de vida de idosos que praticam atividade física. Rev Fun Care Online. 2020;12:432-36. Doi: http://dx.doi.org/ 10.9789/2175-5361.rpcfo.v12.8451

Brevidelli MM. Fatores de risco para doenças crônicas entre participantes do programa vivendo com estilo e saúde. O mundo da saúde. 2017;41(4):606-16. Doi: https://doi:10.15343/0104-7809.20174104606616

Malta DC, Felisbino-Mendes MS, Machado IE, Azeredo Passos VM, Abreu DM, Ishitani LH, et al. Rick factors related to the global burden of disease in Brazil and its federated units. Rev Bras Epidemiol. 2017;20:217-32. Doi: https://doi.org/10.1590/1980-5497201700050018

Silva AGD, Teixeira RA, Prates, EJS. Malta DC. Monitoramento e projeções das metas de fatores de risco e proteção para o enfrentamento das doenças crônicas não transmissíveis nas capitais brasileiras. Ciência & Saúde Coletiva. 2021;26:1193-206. Doi: https://doi.org/10.1590/1413-81232021264.42322020

Souto CN. Qualidade de vida e doenças crônicas: possíveis relações. Braz J Hea Rev. 2020;3(4):8169-96. Doi: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n4-077

Ahtisham Y, Jacoline S. Integrating nursing theory and process into practice; Virginia’s Henderson need theory. Int J of Caring Sci. 2015;8(2):443-50. Doi: http://http://dx.doi.org/10.15343/0104-7809.20174104606616

Strauss A, Corbin J. Pesquisa qualitativa: técnicas e procedimentos para o desenvolvimento da teoria fundamentada. 2ª ed. Porto Alegre (Brasil): Artmed, 2008.

Backes MT, Rosa LM, Fernandes GC, Becker SG, Meirelles BH, Santos SM. Conceitos de saúde e doença ao longo da história sob o olhar epidemiológico e antropológico. Rev Enferm UERJ [Internet]. 2009 [cited 2021 Set 05];17(1):111-17. Disponível em: https://www.nescon.medicina.ufmg.br/biblioteca/imagem/conceitos-saude-doenca.pdf

Charmaz K. A construção da teoria fundamentada: guia prático para análise qualitative. Porto Alegre (Brasil), Artmed, 2009.

Silva Filho OJ, Gomes Júnior NN. The future at the kitchen table: COVID-19 and the food supply. Cader Saúde Públic. 2020;36(5):e00095220. Doi: https://doi.org/10.1590/0102-311X00095220

Stanaway JD, Afshin A, Gakidou E, Lim SS, Abate D, Abate KH, et al. Global, regional and national comparative risk assessment of 84behavioural, environmental and occupational, and metabolic risks or clusters of risks for 195 countries and territories, 1990-2017: A systematic analysis for the Global Burden of Disease Study 2017. Lancet. 2018; 392(10159):1923-94. Doi: https://doi.org/10.1016/S0140-6736(18)32225-6

Pereira DS, Souza SJ, Marques FR, Weigert SP. A atividade física na prevenção das doenças crônicas não transmissíveis. Rev Gestão Saúde [Internet]. 2017 [cited 2021 Set 05]:1-9. Disponível em: https://www.herrero.com.br/files/revista/fileaf5bd92eab28b9ad78efcd42cfde9745.pdf

Rocha BR, Maciel EA, Oliveira SR, Terence YS, Silva BA. Influência dos alimentos funcionais na incidência das doenças crônicas não transmissíveis (DCNT). Intercontinental Journal on Physical Education [Internet]. 2021 [cited 2021 Set 05];3(1):1-20. Disponível em: http://www.ijpe.periodikos.com.br/article/60274ea60e8825b8147e523a/pdf/ijpe-3-1-e2020021.pdf

Vilela LBF, Leão DV, Lourenço RFB, Merida C, Paula VRM, Marasca I, et al. Promoção e educação em saúde de idosos. BJD. 2021;7(4):41438-46. Doi: https://doi.org/10.34117/bjdv7n4-553

Martins AV, Chehuen Neto JA, Ferreira RE, Souza DZ, Pereira FP, Gasparoni JM. As atitudes e o conhecimento sobre práticas de vida saudáveis de uma amostra da população de Juiz de Fora. HU Rev. 2017;43(1):51-60. Doi: https://doi.org/10.34019/1982-8047.2017.v43.2608

Freitas PHB, Meireles AL, Ribeiro IKS, Abreu MNS, Paula W, Cardoso CS. Síntomas de depresión, ansiedad y estrés en estudiantes del área de la salud e impacto en la calidad de vida. Rev Latino-Am Enfermagem. 2023;31:e3884. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1518-8345.6315.3884

Gomes J, Silva AS, Bergamini GB. Saúde e qualidade de vida: influência do stress no ambiente de trabalho. Rev Científica FAEMA. 2017;8(2): 207-220. Doi: http://dx.doi.org/10.31072/rcf.v8i2.547

Figueiredo JP. Comportamentos de saúde, costume e estilos de vida: indicadores de risco epidemiológico: avaliação de estados de saúde e doença. Tese de doutorado. Coimbra [Internet]. 2015 [cited 2021 Set 05]. Disponível em: http://hdl.handle.net/10316/29621

Publicado

25-10-2023

Como Citar

1.
Izaquiel Marinho J, de Miranda LSMV, de Barros Silva MEW, Silva DLS, Eucliza Casado Freire da Silva J, de Brito Santos NCC. SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS POR USUÁRIOS DA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE AO ESTILO DE VIDA SAUDÁVEL. Rev. Enferm. Atual In Derme [Internet]. 25º de outubro de 2023 [citado 29º de novembro de 2023];97(4):e023213. Disponível em: https://revistaenfermagematual.com/index.php/revista/article/view/1663

Edição

Seção

ARTIGO DE REVISÃO