SIMULAÇÃO IN SITU PARA O TREINAMENTO DE SUPORTE BÁSICO DE VIDA NO CONTEXTO DA ATENÇÃO PRIMÁRIA

estudo piloto

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31011/reaid-2023-v.97-n.(esp)-art.1731

Palavras-chave:

Simulação in situ, Urgência e Emergência, Ensino em saúde

Resumo

Objetivo: capacitar profissionais de saúde em Suporte Básico de Vida (SBV), identificar os scores de autoconfiança para intervenções em emergências e conhecer a percepção de profissionais de saúde sobre a simulação in situ enquanto estratégia de ensino e aprendizagem em tópicos de urgência e emergência no contexto da Atenção Primária. Método: trata-se de uma pesquisa-ação realizada em uma Unidade Básica de Saúde do interior do nordeste brasileiro. Para a intervenção, foram planejadas e executadas aula expositiva, treino de habilidades, sessão de simulação in situ. E, de forma complementar, sessões de simulação clínica. Antes e após a intervenção, com o objetivo de aferir a autoconfiança para intervenções em emergências, foi utilizado uma versão portuguesa da Self-confidence Scale. Para a caracterização sociodemográfica e análise da autoconfiança pré e pós, foi utilizada a estatística descritiva simples. A análise qualitativa deu-se por meio do Discurso do Sujeito Coletivo. Resultados: a maioria dos participantes são do sexo feminino (75,0%), com idade média de 41 anos, agentes comunitários de saúde (25,0%), com tempo de formação profissional médio de 7,3 anos, e tempo de atuação profissional de 8 anos. A maioria não possuía formação em SBV (66,7%) e em urgência e emergência (66,7%). Conclusão: em relação a autoconfiança para atuação em emergências, foi possível identificar que os participantes, no pós-teste, melhoraram o padrão de resposta, atribuindo maiores scores de autoconfiança para atuação em emergência. Foi identificado também as contribuições do método simulação in situ para a formação em SBV, as fragilidades e as potencialidades.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Ministério da Saúde (BR). Portaria n. 2.436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2017.

Brasil. Ministério da Saúde. Departamento de Atenção Especializada. Manual Instrutivo da Rede de Atenção às Urgências e Emergências no Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília: Ministério da Saúde; 2013.

Farias DC, Celino SDM, Peixoto JBS, Barbosa ML, Costa GMC. Acolhimento e resolubilidade das urgências na Estratégia Saúde da Família. Rev Bras Educ Méd. 2015; 39(1): 79-87. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1981-52712015v39n1e00472014

Cassinelli F, Melo ES, Costa CRB, Reis RK. Avaliação da estrutura na atenção primária em saúde para o suporte básico de vida. Saúde Pesqui. 2019; 12(2): 317-322. Disponível em: https://doi.org/10.17765/2176-9206.2019v12n2p317-322

Gonzalez M, Timerman S, Gianotto-Oliveira R, Polastri T, Canesin M, Schimidt A, et al. I Diretriz de Ressuscitação Cardiopulmonar e Cuidados Cardiovasculares de Emergência da Sociedade Brasileira de Cardiologia. Arq Bras Cardiol. 2013;101(2). Disponível em: Diretriz_Emergencia.pdf (cardiol.br)

Panchal AR, Bartos JA, Cabañas JG, Donnino MW, Drennan IR, Hirsch KG, et al. Part 3: Adult Basic and Advanced Life Support: 2020 American Heart Association Guidelines for Cardiopulmonary Resuscitation and Emergency Cardiovascular Care. Circulation. 2020;142(16):366-468. Disponível em: https://doi.org/10.1161/CIR.0000000000000916

Zonta JB, Eduardo AHA, Ferreira MVF, Chaves GH, Okido ACC, et al. Self-confidence in the management of health complications at school: contributions of the in situ simulation. Rev Latino-Am Enfermagem. 2019;27:1-9. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1518-8345.2909.3174

Cheng A, Magid DJ, Auerbach M, Bhanji F, Bigham BL, Blewer AL, et al. Part 6: Resuscitation Education Science: 2020 American Heart Association Guidelines for Cardiopulmonary Resuscitation and Emergency Cardiovascular Care. Circulation. 2020;142(16):551-79. Disponível em: https://doi.org/10.1161/CIR.0000000000000903

Sjoberg F, Schonning E, Salzmann-Erikson M. Nurses’ experiences of performing cardiopulmonary resuscitation in intensive care units: a qualitative study. Journ Clin Nurs. 2015; 24(17): 2522-28. Disponível em: https://doi.org/10.1111/jocn.12844

Capovill NC. Ressuscitação cardiorrespiratória: uma análise do processo de ensino/aprendizagem nas universidades públicas estaduais paulistas [dissertação]. Campinas (SP): Universidade Estadual de Campinas; 2002.

Gomes JAP, Braz MR. Conhecimento de acadêmicos de enfermagem frente à parada cardiorrespiratória. Cad UniFOA. 2012; 7(18): 85-91. Disponível em: https://doi.org/10.47385/cadunifoa.v7.n18.1094

Neves LMT, Silva MSV, Carneiro SR, Aquino VS, Reis HJL. Conhecimento de fisioterapeutas sobre a atuação em suporte básico de vida. Fisioter Pesq. 2010; 17(1): 69-74. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1809-29502010000100013

Meira Júnior, Luiz E. Avaliação de treinamento em suporte básico de vida para médicos e enfermeiros da atenção primária. Rev Bras Med Fam Comun. 2016; 11(38): 1-10. Disponível em: https://doi.org/10.5712/rbmfc11(38)1231

Santos ECA, Fontes CJF, D’Artibale EF, Miravete JC, Ferreira GE, Ribeiro MRR. Simulation for teaching cardiorespiratory resuscitation by teams: setting and performance assessment. Rev Latino-Am Enfermagem. 2021;29:1-12. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1518-8345.3932.3406

Costa RRO, Medeiros SM, Martins JCA, Enders BC, Lira ALBC, Araújo MS. A Simulação no ensino de enfermagem: uma análise conceitual. Rev Enferm Centro-Oeste Min. 2018; 8. Disponível em: https://doi.org/10.19175/recom.v8i0.1928

Couto TB. Simulação in situ. In: Scalabrini Neto A, Fonseca AS, Brandão CFS. Simulação realística e habilidades na saúde. São Paulo: Atheneu; 2017. p.127-33.

Sorensen JL, Van der Vleuten C, Rosthoj S, Ostergaard D, LeBlanc V, Johansen M, et al. Simulation-based multiprofessional obstetric anaesthesia training conducted in situ versus off-site leads to similar individual and team outcomes: a randomised educational trial. BMJ Open. 2015;5(10). Disponível em: Simulation-based multiprofessional obstetric anaesthesia training conducted in situ versus off-site leads to similar individual and team outcomes: a randomised educational trial | BMJ Open

Posner GD, Clark ML, Grant VJ. Simulation in the clinical setting: towards a standard lexicon. Adv Simul. 2017;2:15. Disponível em: Simulation in the clinical setting: towards a standard lexicon | Advances in Simulation | Full Text (biomedcentral.com)

Dieckmann P, Gaba DM, Rall M. Deepening the theoretical foundations of patient simulation as social practice. Simul Healthc. 2007;2(3):183-93. Disponível em: https://doi.org/10.1097/sih.0b013e3180f637f5

Thiollent M. Metodologia da pesquisa-ação. 18. ed. São Paulo: Cortez; 2011.

Martins JCA, Batista RCN, Coutinho VRD, Mazzo A, Rodrigues MA, Mendes IAC. Self-confidence for emergency intervention: adaptation and cultural validation of the Self-confidence Scale in nursing students. Rev Latino-Am Enfermagem. 2014; 22(4): 554-561. Disponível em: https://doi.org/10.1590%2F0104-1169.3128.2451

Fabri RP, Mazzo A, Martins JCA, Fonseca A da S, Pedersoli CE, Miranda FBG, et al. Development of a theoretical-practical script for clinical simulation. Rev esc enferm USP. 2017;51. Disponível em: SciELO - Brasil - Development of a theoretical-practical script for clinical simulation Development of a theoretical-practical script for clinical simulation

Lefevre F, Lefevre AMC. O sujeito coletivo que fala. Interface. 2006; 10(20): 517-24.

Lefèvre F. Discurso do sujeito coletivo: nossos modos de pensar, nosso eu coletivo. 1 ed. São Paulo: Andreoli; 2017.

Knobel A, Overheu D, Gruessing M, Juergensen I, Struewer J. Regular, in-situ, team-based training in trauma resuscitation with video debriefing enhances confidence and clinical efficiency. BMC Med Educ. 2018;18(1):127. Disponível em: https://doi.org/10.1186%2Fs12909-018-1243-x

Rafter N, Hickey A, Condell S, Conroy R, O'Connor P, Vaughan D, et al. Adverse events in healthcare: learning from mistakes. QJM. 2015;108(4):273-7. Disponível em: Adverse events in healthcare: learning from mistakes - PubMed (nih.gov)

Fleetwood VA, Veenstra B, Wojtowicz A, Kerchberger J, Velasco J. Communication through simulation: Developing a curriculum to teach interpersonal skills. Surgery. 2018;164(4):802-809. Disponível em: https://doi.org/10.1016/j.surg.2018.05.037

Gundrosen S, Solligård E, Aadahl P. Team competence among nurses in an intensive care unit: the feasibility of in situ simulation and assessing non-technical skills. Intensive Crit Care Nurs. 2014;30(6):312-7. Disponível em: Team competence among nurses in an intensive care unit: the feasibility of in situ simulation and assessing non-technical skills - PubMed (nih.gov)

Oliveira TA, Mesquita GV, Valle ARC, Moura MEB, Tapety FI. Percepção de profissionais da estratégia saúde da família sobre o atendimento de urgência e emergência. Rev Enferm UFPE. 2016; 10(3):1397-406. Disponível em: https://doi.org/10.5205/1981-8963-v10i3a11080p1397-1406-2016

Moreira KS, Lima CA, Vieira MA, Costa SM, et al. Avaliação da infraestrutura das unidades de saúde da família e equipamentos para ações na atenção básica. Cogitare Enferm. 2017; 22(2): 1-10. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5380/ce.v22i2.51283

Bortolato-Major C, Mantovani MF, Felix JVC, Boostel R, Mattei AT, Arthur JP, et al. Autoconfiança e satisfação dos estudantes de Enfermagem em simulação de emergência. Rev Min Enferm. 2020; 24: 1-5. Disponível em: 1415-2762-reme-24-e1336.pdf (bvs.br)

Barreto DG, Silva KGNS, Moreira SSCR, Silva TS, Magro MCS. Realistic simulation as a teaching strate¬gy: an integrative review. Rev Baiana Enferm. 2014; 28(2): 208-14. Disponível em: Vista do SIMULAÇÃO REALÍSTICA COMO ESTRATÉGIA DE ENSINO PARA O CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM: REVISÃO INTEGRATIVA (ufba.br)

Kaneko RMU, Couto TB, Coelho MM, Taneno AK, Barduzzi NN, Barreto JKS, et al. Simulação in Situ, uma metodologia de treinamento multidisciplinar para identificar oportunidades de melhoria na segurança do paciente em uma unidade de alto risco. Rev Bras Educ Med. 2015;39(2). Disponível em: https://doi.org/10.1590/1981-52712015v39n2e00242014

Kobayashi RM, Araújo GD. Avaliação do treinamento mediado por tecnologias educacionais: revisão integrativa. Journ Health Inform. 2019; 11(3). Disponível em: Vista do Avaliação do treinamento mediado por tecnologias educacionais: revisão integrativa (sbis.org.br)

Costa RRO, Medeiros SM, Martins JCA, Cossi MS, Araújo MS. Percepção de estudantes da graduação em enfermagem sobre a simulação realística. Rev Cuid. 2017; 8(3): 1799-808. Disponível em: https://doi.org/10.15649/cuidarte.v8i3.425

Van Dyk J, Siedlecki SL, Fitzpatrick JJ. Frontline nurse managers' confidence and self-efficacy. J Nurs Manag. 2016 May;24(4):533-9. Disponível em: Frontline nurse managers' confidence and self-efficacy - PubMed (nih.gov)

Publicado

11-05-2023

Como Citar

1.
Silva BIRF da, Carreiro BO, Romão LGB, Mazzo A, Costa RR de O. SIMULAÇÃO IN SITU PARA O TREINAMENTO DE SUPORTE BÁSICO DE VIDA NO CONTEXTO DA ATENÇÃO PRIMÁRIA: estudo piloto. Rev. Enferm. Atual In Derme [Internet]. 11º de maio de 2023 [citado 27º de maio de 2024];97((ed. esp):e023075. Disponível em: https://revistaenfermagematual.com/index.php/revista/article/view/1731